sábado, 7 de maio de 2011

Amo



Amo o que aprendo 
a sentir
sem medo
da noite
cair
do meu ser
para a madrugada
antes de ser

saudade
depois de ser

sonho
de verdade
não existe nas coisas
mas gostava que existisse
íntima
como o teu ventre
florisse.

3 comentários:

Luís Coelho disse...

"Amo o que aprendo a sentir
sem medo
de estropiar nada"

Talvez o amor seja isto
amar sem medo de estropiar nada

Tere Tavares disse...

"Nunca é sereno o caminho do amor" (Shakespeare).
Se é possível complementar - entretanto, há serenidade quando verdadeiramente se ama.

Abraço

Djabal disse...

uma poetisa alemã, deve ser a sua alma gêmea nas letras, lanço aqui seu trecho, que em um mesmo sábado apareceram diante de mim para concluir o que conclui:
...a pessoa apenas alncança seu valor quando se desprende da realidade e se dirige ao imperio dos sentidos...
...as aparências vêm antes do ser, talvez a realidade seja um doa piores de todos os enganos...

e sendo assim: ame, com suas imagens, pensamentos, em que cada palavra é metáfora perfeita. grande e raterno abraço.