sábado, 27 de setembro de 2014

Sedutora

Nos olhos 
de sempre
de pura 
luz
de algum momento 
do dia
alguém 
não ignora
que sonho és tu.

sábado, 20 de setembro de 2014

Não sei se me compreendes


Se compreendesses o que eu sinto
Quando a imperatriz despe o único manto
Que a resguardava da história de amor
Que veio a acontecer
No maior dos segredos
Apenas partilhada com imenso prazer
Com os pássaros dos jardins
Que a imitavam
E propalavam alegremente
Em deslumbrantes gorjeios…

Se não me compreendes
Não me compreendas
Não sei se me compreendes.

domingo, 7 de setembro de 2014

Poema adiado


A minha vida
tem sido uma tentativa
de poema
que dissipe o que houver
entre o olhar
e a cegueira
não transforme
ao ser
poema seja
inteligência
de quem não sabe
e não mente
seja
audível
para surdos
ao que gera silêncios
por onde o pensamento
se evade
o corpo
alguma vez
triunfe
do inenarrável
das prisões
de palavras
como a aurora
se erga
e ilumine
este vasto cemitério.