sábado, 9 de dezembro de 2017

Alma de sem abrigo


Neste silêncio
se ouve o vento
na asa partida
de um momento
compondo as penas
à vida
pelas ruas da amargura
com alma de sem abrigo
a loucura 
do eterno
pelos sagrados sinais
sela as portas do inferno
e abre as celestiais.

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Templo de sombras


Busco as sombras porque a luz fere
para ver mas nem tanto
e para não morrer
por enquanto
descubro com prazer
alguns horizontes de toupeira
nesta galeria labiríntica
da maçã.


quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Assim fala o vulcão


No dia em que as moscas e as ervas
e os grãos de pó
bailavam ao sol da tarde
opinando e dando ordens entre si
como grandes senhores de tempos remotos
que sem esforço nem talento
gerem a seu bel prazer
o que julgam ser
mas não é
sentiu-se um abalo
quando o vulcão se queixou
tenho de me sacrificar
porque já não aguento mais
para vós é fácil
flores passarinhos gasosas améns
mas eu não vou em procissões
para chegar onde está o verme
não sabem nem imaginam
a força e o esforço
que tenho de fazer
a rosa e o jasmim tão delicados
quase nem acordam
e ao vento dizem sempre sim
mas eu não tenho aliados
estão todos aliados
contra mim
mas agora que pus a cabeça de fora
vão ter de me ouvir
até ao fim
desprezo-vos
e
ao deus que explorais
vis animais.

domingo, 20 de agosto de 2017

O Poeta e a Pena


O poeta não se acobarda
por mais que lhe arda
hoje
diante dos incendiários
não foge
nem esconde
da guerra
da verdade
o amor à terra
o poeta tem numa mão
a espada
com que responde
e na outra a pena.

sexta-feira, 14 de julho de 2017

As verdades e a verdade


Sabemos quais são as verdades que contam
as dores e as alegrias de que é feita a vida
e é por elas que nos sujeitamos na esperança
sempre traída
de nos deixarem viver de verdade
de não precisarem de nós
para levarem de vencida
a maldade
sabemos que não nos deixam em liberdade
nem depois de aprendermos a obedecer
convenientemente
porque há um preço para a vida
e para as verdades da vida que contam
as dores e as alegrias de que é feita a vida
e é por elas que nos sujeitamos na esperança
sempre traída
que nos desvanece o sonho
as verdades não chegam para viver de verdade
não nos roubem a verdade
enquanto nos iludem com verdades.

domingo, 11 de junho de 2017

Grandiosas falácias

Arrebatado por uma mística de
sábios e artistas
cansei dos prosaísmos
da ordem unida

até as coisas chãs
me pareciam interessantes
ao partir
de improviso
para a cidade dos estudantes
acreditando habitá-la
como um refúgio
do meu aborrecimento
foi breve
o tempo
de viver um sonho
que era interminável

e deparei com monumentalidades
e sistemas sacerdotais
de corifeus paternalistas
de braços abertos a seguidistas
canonistas catequistas
oportunistas
e outros que tais

porém apreciei mais
do imaginário enredo
o cavaleiro que eu era
sem cavalo e sem medo
nem credenciais
convivendo com a fera
dos sagrados sinais

e andava eu nem sei
como não esmagado
pela brutal teia de problemas
e batalhas
que invoquei D. Quixote
e logo vi em debandada
nuvens e nuvens de ameaças

tornando-se claro o céu
melhor se vê que a terra
é um perigo para quem vive
de grandiosas falácias.


sábado, 1 de abril de 2017

Nada mais que o mundo

É pouco nada mais que o mundo
é pouco
um pouco mais que o mundo não chega
para quem quer mais
o mundo é pouco
o mundo é louco
de mais


é pouco
preciso mais.

sexta-feira, 17 de março de 2017

Dei-me ao cuidado



Toda a vida em redor me inspira
cuidados
nenhum de nós tem a cabeça
completamente fora

(ainda que ignore
da própria larva
a lavra
e a dor)

da água que nos afoga
do lugar

no sono
a tormenta de muitos
parece inextrincável
a salvação
o que vive
com ou sem memória
do que fica
depositado no campo

dei-me ao cuidado

expressão triste
mas verdadeira
a vida existe

não tem outra maneira.


segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Uma desgraça com seu encanto


Não há poema
que te mereça
nem a luz que fica
depois
as palavras
são tudo o que resta
uma desgraça
com seu encanto.

sábado, 11 de fevereiro de 2017

A poesia do vento

O mar ergue-se
sobre o horizonte abandonado
na escuridão
pela memória da luz
à porta do castelo de vento
as sombras perguntam
numa língua inconcebível
de que serve escrever
nas velas.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Rios tortos


Todas as árvores fixaram o meu olhar
e fizeram-me sentir
deixaram-me a chorar

O brilho do estio
naufraga a ave
de pio fatigado
descarnado
de um cadáver adiado
em pedaços
os meus pensamentos
sem leveza 
para chegar ao céu
acercam-se da terra
que os alimenta
de rios mortos.


Carlos Ricardo Soares 08.02.2017

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Saudade

Minha tristeza
ter vivido
como sonharia
sem poder
vencer
o futuro
desconhecido
do que 
havia
nunca o imaginado 
tempo 
parasse
a recuperar o perdido.

domingo, 15 de janeiro de 2017

Algum modo ou forma de verdade


Se eu fosse demolidor diria
felizes os que têm prazer de ler o que escrevo
porque são justos e belos
e sãos e santos
e inteligentes e sensatos
e quase perfeitos
mais do que eu
mas escrevo sem recriminações
não como um juiz
nem como um réu
escrevo como um ignorante
que aspira à sabedoria
como um cego
que aspira à visão
como um forte
que não tolera a força
mais do que um fraco
que não se resigna a qualquer sujeição
escrevo como um crente
a esperança e o amor
a racionalidade e a poesia
a expressão de algum modo ou forma
de verdade.

sábado, 7 de janeiro de 2017

O que nasce sem ser semeado

                      
Para haverdes sonhado
o que esperais
sem ser semeado
o dia 
dessanguentado
pelas mãos 
da noite deâmbula
vos será dado
bálsamo
da melhor oração 
quando houverdes o alecrim
dourado
não será pelo vento 
mutilado.