terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Mel e Sal


Mel não dorme 
Sal acorda 
Mel faz um balanço da sua vida
tem a percepção de que viveu obcecada
com sexo comida bebida guloseimas 
esconderijos sombras e penumbras
mais do que ações e intervenções sociais
como se tivesse vivido dentro de um filme
de uma narrativa destituída de outros valores que não fossem o afecto
o erotismo a sensualidade a gula
enfim todos os pecados 
tudo o mais que saísse disso lhe parecera sempre aborrecido
e insuportável 
entregava-se de preferência a devaneios sem fim
e procurava livros que lhe alimentassem essa espécie de vício
passou por todas as dependências de quem busca
o prazer antes de tudo 
e nunca se libertou de nenhuma 
nem quando corria perigo de vida 
e o médico alertava
de D. Quixote 
Mel nunca teria a alucinação do cavaleiro corajoso e valoroso
considerava essa faceta desinteressante
Mel não tinha nenhuma espécie de megalomania 
e nunca aspirara a outra grandeza 
que não fosse todas as formas de prazer
com o tempo 
tornou-se colecionadora de receitas de prazer 
e se dedicava algum tempo a isso 
e a hierarquizá-las 
era em vista do prazer
Mel não sentia prazer nela própria
nunca pensaria nem diria como o poeta 
“sinto-me confortável e feliz comigo próprio”
a felicidade e o prazer eram exteriores
estavam em coisas e pessoas
dentro dela havia a carência
o desejo a fome
a paixão o vício
e sentia raiva
sempre sentiu por haver tantos interditos
tantas proibições
tantos limites
tantos entraves
tantas obstruções
Mel achava que a cultura era uma tentativa de dar espaço a algo 
mais do que regras de conduta e objetivos económicos.