sexta-feira, 18 de julho de 2014

Ninguém sabe morrer


Os velhos e velhinhas
a gente sem abrigo
que pede
pelas alminhas
vive
como castigo 
e

dos colos carregados
das lantejoulas
dos cenhos carregados
das angústias
dos peões
da soberba pachorra
de esperar
remédio
da virtude paciência
e

há sempre
muito ruído
muito brilho
muita cor
ladrões
à paisana
e polícias
nas esquinas
prostituição
a disputar a sensualidade
que há em tudo
e

a despesa de viver
o pecado
fechar os olhos
para ignorar
a bomba
que vai explodir
e

tanto filho da mãe
que anda a fugir
sem descanso
que não suporta a luz
nem a própria sombra
tanta faca
escondida
 e

deve haver
além de mulheres algures
ilícitas de tão carnais
amores imperfeitos
de tão legais
e

o livro da história
que não cessa
nem há tempo para ler
até numa biblioteca 
ninguém sabe morrer.

segunda-feira, 7 de julho de 2014

Há coisas que queremos dizer


Há coisas que tu queres dizer
E não sabes como
Que eu quero
Mas não sou capaz
Que não dizemos
E tanto dói calar
Quanto o desejo
De falar.


quinta-feira, 3 de julho de 2014

Frustrações de um sonhador


Com sol na vidraça
Da aurora baça
A horas tardias da tarde
E da noite
Escrevo palavras e frases
Que aspiram a ser
Textos
Por mais que os torça
De pequeninos
Como os pepinos
Não passam disso
Frustrações dum sonhador
Que envelhece
A ver
O que acontece.

terça-feira, 1 de julho de 2014

Uma voz que se ergue


Uma voz que se ergue
Na noite cerrada
Mais doce e mais leve
Que um grama de nada
E tão bem a ouço
À voz amada
Tão bem encanta 
A madrugada
Tão bem se estende
Para o dia
Mais sede e mais fome
Que a alegria
Chama 
Sabe o meu nome
Arde 
E não está queimada
Mais cedo e mais tarde
Que o tempo 
Cresce
E não foi plantada.