quinta-feira, 25 de abril de 2013

Cravos não são rosas


Cravos
não são rosas
cravados
crucificam
causam
dores
não são
flores
descravar cravos
liberta de dores
cravos flores
não cravam
nem descravam
não são verrugas
e cheiram
a liberdade
a quem a não tem.


sábado, 20 de abril de 2013

Tudo desaparece


Tudo desaparece
E eu
No escuro
Com as minhas fantasias
Que não são memórias 
Que memórias tenho poucas
De alguma luz
E pensamentos muitos
No meu barco a flutuar
Sem que o possa parar
Sem um destino 
Ou se o tiver
Não é meu
Nem sei
Que o meu destino
Se o souber
É que
Tudo desaparece 
E eu
Sou 
O que acontece 
À escala 
Minha e do barco em que vou
Que flutua mas não acorda
Nem adormece.


sexta-feira, 12 de abril de 2013

Há horas e momentos


Há horas e momentos
Que te sinto
Tão perto que te abraço
E tu não estás
E ainda assim
Imagino como és doce
Sorris 
E os beijos
Que és capaz

Há horas e momentos
Que te sinto
Tão longe mas tão certo
Que virás
Que canto e danço
E brinco
Como imagino
Que serás


Há horas e momentos
Que me sabem
À mínima distância
Entre nós 
Ir além de ti
O que separa
Nem tempo tem
Para o conseguir


Há horas e momentos
Que me sabes
Mais quente
Que a promessa
Que farás
Mais presente de futuro
Se a razão do tempo

Tanto faz

Há horas e momentos
Cruciais
Causa(dores) do universo
Em expansão
De tão plenos
Da falta que me fazes
Senão de ser humana
Esta paixão

Há horas e momentos
Tão profundos
Fechados em abismos
Tão carnais
Que a alma
Em ânsias de refúgio
Ecoa juramentos
Imorais

Há horas e momentos
Que contemplo
À sombra das aves
Que passarem
A solidão
Sem exemplo
Dos sonhos
Me abandonarem.