terça-feira, 8 de março de 2011

Não me digas que não


Não me digas que não
Que é cedo ou tarde
Não me fales por enigmas
Embora eu não me canse

Não me digas que não
Que eu não mereço
Ou então não digas nada
E dá-me o que te peço

Podes crer que sou
O único sobrevivente

Não
Eu não sou um desertor
Das refregas de amor
Das mil e uma noites

Se nos virem abraçados
Não te lembres de morrer
E se nos virem deitados
Não te lembres de dizer

Ajudem-nos a levantar
Porque estão caídos.