sábado, 20 de setembro de 2014

Não sei se me compreendes


Se compreendesses o que eu sinto
Quando a imperatriz despe o único manto
Que a resguardava da história de amor
Que veio a acontecer
No maior dos segredos
Apenas partilhada com imenso prazer
Com os pássaros dos jardins
Que a imitavam
E propalavam alegremente
Em deslumbrantes gorjeios…

Se não me compreendes
Não me compreendas
Não sei se me compreendes.

Sem comentários: