sábado, 16 de abril de 2011

Sonhei



Sonhei com jardins proibídos
E o perfume do paraíso

Eras tu

Sonhei que a vida era bela
E  eternas as fontes dos sentidos
A cantarem
Nos nossos lábios
De sede
Se beijarem
Sábios
Se calarem

Que éramos mais
Que um episódio da vida
Das personagens
De nós
Mais que o eco
A voz.

6 comentários:

Bibiana Ferreira Pereira disse...

Adorei o blog, e achei de um valor inestimável os poemas! adorei

Salete Cardozo Cochinsky disse...

Olá Carlos
Estava com saudades de visitar teu Blog.
Que belo sonho, que belo poetizar, realizar inúmeros e inimagináveis, em vigília tão sublimes sensações.
Um abraço.

Djabal disse...

...como diria Hilda Hist, love apesar, a pear, e há pesar. ...Caio F. Abreu
as tuas poesias rememoram-me outras, abrem imagens caleidoscópicas em minha imaginação, segue uma delas como homenagem. um abraço fraterno.

cduxa disse...

O poeta sonha e sonha que a vida faz sentido.

cduxa disse...

O poeta sonha e sonha que a vida faz sentido.

tecas disse...

Belíssimo sonho, num poema perfeito.
Adorei conhecer o seu blog.Cheguei a ele por uma amiga.
Excelente.
Saudações poéticas