sexta-feira, 25 de março de 2011

Rotina


Já era tarde quando cedi 
E joguei
Ao faz de conta da vida
Que conta
Como conta um jogo
Um torneio

Um campeonato
Mas os jogos aprendem-se 

A jogar
E quem joga melhor
Tem mais hipóteses
De ganhar
Jogar para perder
Não pode durar muito
E quem muito perde
Fica mais indefeso para
Deixar-se enganar.



4 comentários:

Djabal disse...

Diante da ciranda muito bem feita de palavras, pois poesia, ao final um paradoxo resiste. O jogo se jogado bem tem mais hipóteses de ganhar. E aquele ganhador perceber-se-á defeso da certeza. E é o mesmo daquele que muito perde, indefeso do engano.

Vanda Paz disse...

o jogo da vida

beijos

valquiria calado disse...

•*♥ڰۣ¸.•*♥ڿڰۣ✿ڿڰۣ¸.•*♥ڿڿ•*♥ڰۣ¸.•*

Sobre o amor

Fácil de acontecer, difícil é descrever.
Amar é sentir sem querer, é querer sem perceber.
Fugaz ou duradouro, não importa o tempo, o que vale é o sentimento.
Que o eterno seja pra sempre, mesmo que seja breve.
Sobre o amor é tudo que não sei, daquilo que já sei.

Fim de semana de luz e paz,
abraço.

ڿ•*♥ڰۣ¸.•*♥ڿڰۣ✿ڿڰۣ¸.•*♥ڿڿ•*♥ڰۣ¸.•*♥ڿڰۣڿڰۣ

Brasileiros enlutados ♥♥♥♥♥♥♥♥♥...


ڿ•*♥ڰۣ¸.•*♥ڿڰۣ✿ڿڰۣ¸.•*♥ڿڿ•*♥ڰۣ¸.•*♥ڿڰۣ

cduxa disse...

As interioridades (racionais) do eu poético.