quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Pinta-me



Em busca da máscara perdida
Estás nua
Entre os animais
As palavras que te vestem
São transparentes
De mais
Os teus cabelos
São como ministros
De um governo fantoche
A impedir o sol
De tocar
Na sua responsabilidade
Como um idiota
Poderia conspurcar
A tua beleza
Perguntando
A idade.



1 comentário:

Djabal disse...

Estava ausente, acometido de uma crise de palavras que pediam passagem, muito desordenadas. Dei-lhes meu regaço de atenção. Quando volto encontro-o em uma fase coloquial, com uma pitada de sal, pimenta e açúcar, do mascavo. Tempero exótico para uma ótima poesia que se aprende de cor. Haja bem.