sábado, 18 de setembro de 2010

Amor adulterino

Luz e sombra sem perfídia
Emboscadas na ternura
Disputando à bela orquídea
Humidade e temperatura

Será como tu quiseres
E não como eu imagino
Será como te atreveres
No amor adulterino

Pelo tempo e pelos lugares
Emboscados na ternura
Celebrando nos altares
De uma absolvição futura

Luz e sombra sem perfídia
Emboscadas na loucura
Devolvendo à bela orquídea
Toda a razão da doçura.

5 comentários:

asmo lündgren syaliot disse...

Luz e sombra sem malícia
Emboscadas na ternura
Disputando à bela esterlícia
Humidade e temperatura

Será como quiseres
E não como imagino
Será como te atreveres
No amor adulterino

Pelo tempo e lugares
Emboscados na ternura
Celebrando nos altares
Uma absolvição futura

Luz e sombra sem malícia
Emboscadas na loucura
Devolvendo à bela esterlícia
Toda a razão da doçura.

perfidiah e orquideah não são assi tão homófonas
mas infim

asmo lündgren syaliot disse...

blitt godtatt av bloggeieren

como é bom de ver há god's em todo o lado

Tere Tavares disse...

Âmbitos semânticos tão apropriadamente desenvoltos - a dizer de um corriqueiro - nem tão corriqueiro assim - com ousadia e subjetividade entrelaçando rimas.
Com admiração,
Abraço

Tere Tavares disse...

Âmbitos semânticos tão apropriadamente desenvoltos - a dizer de um corriqueiro - nem tão corriqueiro assim - com ousadia e subjetivadade entrelaçando rimas.
Com admiração,
Abraço

Djabal disse...

Uma imagem, com uma leve tintura de culpa, atrevida, matreira, um poetar diferente do habitual. Com o mesmo vigor da orquídea, apesar de leve e solferina. Gostei de ler, relembrar e me situar. Um grande abraço.