domingo, 12 de setembro de 2010

Dá-se o caso

                                                       
Pequeno almoço com janelas

Para um quadro                          
Com milhares de anos             

É assim que pensas                 
É assim que dizes                     
O momento                                 

A mulher ao lado                         
Está doente                                   
E o homem ao fundo                  
Está a escrever no guardanapo
Para o outro mundo                   

Já se faz tarde                             
E temos pela frente                    
Um dia para visitar museus     

Dormimos pouco                       
Mas estou contente                   

Tu fazes-me sentir vivo           
Num mundo de memórias      
De imensas coisas mortas     

Fazes-me sonhar                      
E não devia ficar triste…         
                                                       

3 comentários:

Djabal disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Djabal disse...

Sie, die Leichte, drückte die Erde kaum
Wieviel Schmerz brauchte es, bis sie so leicht
ward!
Leve, ela não fez pressão sobre a terra
Quanta dor foi preciso para que ficasse tão
leve!

O seu poema , imediatamente, trouxe-me este outro, de B.Brecht, que atrevo, publicar em pequeno trecho.
Ambos emocionantes ao tratar do fim que nos aproxima a todos nós.
Alterei o texto, desculpe-me, a pressa atrapalhou a clareza.
Grande abraço.

luís filipe pereira disse...

Caro Poeta,
fascina-me este poema,
este quadro, fundamente meditativo, que o poema pinta,
espécie de ecfrásis do pensar
a brevidade, a irrefutável fragilidade dos momentos, mesmo
os que a memória sedimenta, mesmo os que o sonho promete.
com admiração,
filipe