quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Não há poesia

Não há poesia sob as telhas
Nem na multidão de bêbados
Que caminha debaixo do céu
Nas ruas estreitas
E bafientas
Com muitas esquinas
E bares baratos
Por onde me arrastei
Como um eremita
Com o dobro das patas
De um caranguejo
E metade da sua graça
Não há poesia em nenhum pensamento
À hora a que me deito para morrer
Sentindo que sobrevivi a tudo.

1 comentário:

Djabal disse...

Meu estimado amigo, lamentavelmente, sou obrigado a discordar de ti; e veemente digo: há poesia sim, muita poesia. Haja bem.