domingo, 13 de fevereiro de 2011

Estou cercado de beleza

A cidade os campos o rio
E as colinas
Por todo o lado
Estou cercado
De beleza
E me rendo sem defesa
Às distâncias
Que berram
Do mundo
Acorda o vento
De sono profundo
As aves
Aterram
Na névoa
Dos meus olhos
Vagabundos
Erram
Não sabem
A esperança
Do poeta
Da escuridão completa
Imagina o sol
A morrer
Mas ainda vivo.

1 comentário:

Djabal disse...

Tudo é sagrado. E a beleza não é vista por todos, apenas os poetas conseguem vê-la incondicionalmente. Outro sem diz: tudo que eu não invento é falso. Abraços e um ótimo final de semana.