domingo, 10 de outubro de 2010

Canção do tempo perdido


Hoje acordei de manhã
E acordei bem
A última é a melhor
Se não for a que lá vem

Canto para quem não está
e não canto para ninguém
Para cantar não é preciso
Mais do que a voz que se tem

Palavras leva-as o vento
Se a memória o deixar
Que nem tudo o tempo leva
Nem tudo há-de levar

Canção do tempo perdido
Não te percas a escutar
Se não tiveres ouvido
Para as horas a passar.



1 comentário:

Djabal disse...

Por essas extravagâncias desta tripa poética, li a canção do tempo depois.
E nesta vejo que o meu comentário é uma cópia pobre dos teus ensinamentos, que a leitura que eu fiz, foi a que previamente cantara.
É assim mesmo: não te percas a escutar/se não tiveres ouvido/para as horas passar.
Eu tive, tenho e terei sempre. Espero. Se me restar algum livre arbítrio ainda.
Grande abraço.