quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Sim

Sim
A árvore de que o sonho tem alcance
Espectro do que se alguma vez foi
Real mas intocável será
Corpo de nãos atados
À espera como mãos
Que não recebem cuidados
Nem quando a espera desespera
Sim
Todos os medos infundados
Em troca de uma morte
Que se afronta
E nunca ocorrerá
Sim
Com mais leveza que o ar
A ave se levanta
Aos olhos da fadiga
Do que quer caminhar
A distância entre esse
Como se nada fosse
E o desejo incrível
De voar…


2 comentários:

Reconstructing extinct gene sequence disse...

Com mais leveza que o ar
A ave se levanta
Aos olhos da fadiga
Do que quer caminhar
A distância entre esse
Como se nada fosse
E o desejo incrível
De voar…

Djabal disse...

A sua poesia já foi filmada por Andrei Tarkovsky e se chama O Sacrifício. Existe a mesma luminosidade que tocou o diretor.
E a triangulação original entre o renascer, o ficar, o fugir.
Em ambas resta o desejo incrível de voar. Grande abraço.