segunda-feira, 21 de junho de 2010

Não pretendo provar nada



Estou a falar para mim mesmo
Como se estivesse a falar aos outros
Não pretendo provar nada
Há coisas que tornam invisíveis
As que as rodeiam
Até coisas invisíveis
Que tornam invisíveis
As coisas visíveis
Que as rodeiam.

2 comentários:

Djabal disse...

Apoiado. Uma breve lição de como desaparecer completamente. A forma mais isenta de narrativa que já existiu. Abraços, amigo.

Vanda Paz disse...

AGORA

deixaste-me um bocado baralhada, deve ser do sono...

Beijo