quarta-feira, 7 de abril de 2010

Cantarei os pacíficos

Não me dêem o que não faz falta
A tragédia menos trágica que a tragédia
De ser testemunha do mal
Se não fosse mais trágico pensar que sentir
De um mundo belo por natureza
O odioso da desumanidade
Enquanto puder
Que a vida é breve
Mas o tempo não
Amarei os pacíficos.

5 comentários:

Djabal disse...

Talvez sejamos exilados, apenas auxiliados pela palavra, afastados pela desumanidade, provando o gosto da impassível ordem desconhecida. Não esperava esta resposta, esperava um comentário, mas, sabes como são essas coisas, pois não? Abraços, meu caro amigo. Muitos.

Tere Tavares disse...

Somos segundo, ou seguindo, as nossas escolhas. Livres sempre, mas nem sempre ouvidas. Ouço-te assim.
Um abraço

Kelwin Willian disse...

Injetividade interessante.

Kelwin Willian disse...

Subjetividade interessante.

Vanda Paz disse...

Gosto de te ler, gosto, gosto

Beijo