quarta-feira, 17 de março de 2010

Não direi nada que não saibas

Se eu soubesse não diria
Nada que não seja
Poesia
Nada que não saibas
Que eu não sabia
Não direi nada
Sei
Extenso dia
Até onde alcança
A vista
A fantasia
A alma
Que vê ausências
Onde há
As dela
As outras não
Direi por dizer
Pelo prazer
De ouvir-me
E de crer
Que a palavra não faz
Falta
Em vão.

1 comentário:

Djabal disse...

A única experiência que a natureza desenvolveu com a linguagem foi a nossa. Experimentou pelo menos oito vezes de forma diferente os olhos.
Mas a linguagem é única, e a incompreensão dos homens levou-me a desacreditar dela, a palavra. Como inútil.
Mas a poesia, a sua poesia, mostra quanta falta ela faz, e não pelo saber, pelo sabor. Um grande abraço, meu amigo.