quarta-feira, 31 de março de 2010

Aceito o teu convite

Aceito o teu convite para ir a tua casa
Tomar café
Mas como estarás vestida?
E não aparecerá ninguém
(a cantar numa voz de ópera?)
Já te vi subir o pano
Como o suave sol de Maio
Sobe a colina
Faz-me ver grandes nuvens brancas
E temer adormecer
Sem o desejar.

2 comentários:

Paulo-Roberto Andel disse...

excelente como sempre, poeta!

abraço!

Djabal disse...

Não creio possível adormecer. Não, não será. A visão das grandes nuvens brancas, chama para a leitura. Elas mudam e carregam consigo o sono. Sempre. Aristófanes é a minha testemunhas. Haja bem, meu amigo.