quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Da tua pele que se aflige

Com lábios devassos e impuros
Afloro as camuflagens sensíveis
Da tua pele que se aflige
Abro com os dedos
As folhas do teu livro casto
Como uma tempestade impiedosa
Para o fruto bamboleante.

2 comentários:

Vanda Paz disse...

A Natureza em todo o seu esplendor. Muito bonito.

Beijo

Djabal disse...

Um combate de idéias, ou posições. Marcadas através das imagens lembradas.Nos remetem para a vida como já foi dito, ou ainda mais de perto, ao bamboleio dela. Gingante e impiedosa. Entretanto: belo.