sábado, 15 de novembro de 2014

Inverno na praia



Sempre me dói a miséria 
Dos mastins abandonados
Mais do que tristes 
Os seus olhares envergonhados 
As asas de chávenas 
Da Vista Alegre 
Partidas em bocados
Nas escadas à porta 
Do museu dos esmoucados
O porte e o pêlo de cão 
De uma disciplina fria
De prisão ao pescoço 
À coada luz do dia
Desejo não lhes lembre valentia
Tristes matilhas de colecção 
De joalharia 
Que ninguém quer roubar
Estômago não teria 
Para os inventar 
Gelam-me os ossos 
Fazem-me chorar
E são apenas podengos 
Que temem ladrar
Melancólicos famintos 
Hesitantes 
Preferem ficar 
Distantes
E passar por 
Assaltantes
Mas lixo 
São 
Os seus diamantes.

Sem comentários: