quinta-feira, 22 de maio de 2014

Colocar o tempo numa moldura


Deixo passar o tempo e digo-o
Como se tivesse o poder
De o deixar em herança 
De o fazer parar numa moldura
Como foto de dança
De vénus infame
Nos meus desertos 
Em tons de ferrugem 
De vitral de uma ala 
Dos arquivos de uma catedral 
No fundo do mar
Na paz pesada
Que ensurdece
Após S.O.S.

Sem comentários: