sábado, 1 de março de 2014

Não deixes


Não deixes que a palavra te corrompa

Como uma moeda falsa que depões
Na mão do diabo disfarçado de mendigo
Não deixes que a palavra se alimente da tua alma
Como um salmo se hospeda num sepulcro
E te enlouqueça e te leve o corpo
Não deixes que te o tire te o esqueça 
E te converta em espectro caiado
Sem sede nem fome
Sem nascente nem ocaso
Sem nome.

Sem comentários: