sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Praça


Vejo florescer as árvores 

 na praça etérea 
 de um chafariz mortiço 
 da memória 
 se houvesse um centro 
 na minha noite 
 essa noite 
seria a minha história 
 e o centro seria a tua 
 penumbra da lua 
 que ao nascer 
do dia 
 amua 
 e deslumbra 
 sem solução de continuidade 
 da solidão 
 do princípio ao fim 
 do tempo 
ainda que eu nada faça (espero) 
 os universos movem (se) 
 por mim.

Sem comentários: