domingo, 17 de outubro de 2010

Os teus pecados




Olhas para o espelho e não encontras 
um rosto
o que vês não é o reflexo 
do que conheces
o espelho é uma porta 
aberta para a eternidade
a entrada interdita 
à luz dos olhos
não estavas à espera 
que um espelho fosse
um pensamento 
que podes estilhaçar
mas não consegues 
desarmadilhar
embora penses que há-de haver uma chave
para compreenderes 
o que pode acontecer de mal
a um homem bom
a verdade não tem fechadura.



1 comentário:

Djabal disse...

Hoje deixarei um epigrama, como homenagem à filosofia do pensar, espelhada em sua poesia:
"Não há uma coisa que não seja uma letra silenciosa da eterna escrita indecifrável cujo livro é o tempo..."
Fica com meu abraço, amigo poeta.