quinta-feira, 23 de abril de 2009

Cansado

Neste acesso de febre alta
Esqueço tudo em delírio
O mundo que tão pouco conheci
E de cujas guerras e dramas desisti
Que sempre ignorei de soslaio
E até o que
Do mundo sempre elegi
Do passado os mitos e os heróis
Modelos que nos humilham aos nossos olhos
Mas que pretensamente
Nos engrandecem aos olhos estrangeiros
Do presente as vacuidades
Mais benévolas possíveis
De preferência aromáticas
E afrodisíacas
E laxantes
Que inebriem sem as sequelas
Das drogas
O que penso (e o que
Não sei se) me importa
Não sei qual é pior
Se o cansaço do que não faço
Se estar cansado
De estar cansado
Ou se
Estar cansado de descanso
Cansado de remanso
Da monotonia da beleza
E serenidade
Da natureza
De ouvir (já nem ouço)
Os pássaros
De olhar (já nem olho)
Para o céu estrelado…
Do bem que me fazem
E da saúde que tenho
Me cansa o prazer
De tudo bom ter
Me cansa não sentir até
Necessidade de o dizer.

1 comentário:

Daniele Barizon disse...

"Modelos que nos humilham aos nossos olhos"

Desculpe destacar essa frase apenas do texto, amiGO... é que vejo nela uma conotação oportuna, que muito me tenta a aludir à última dos nossos ilustres representantes políticos, no caso da farra das passagens aéreas... Modelos que nos humilham, de fato...

Abs,