domingo, 14 de agosto de 2016

Vem


Ouve-me
vem pernoitar no escuro
até onde só eu
te encontre
no silêncio
até onde só tu
me ouças
na doçura
até onde só nós
estejamos
na música
até onde 
só nada ouçamos
na loucura
até onde só nós 
chegamos.


sábado, 9 de julho de 2016

Todos nos lembramos e não sabemos


Todos nos lembramos 
de algum dia salvo
de não ser verdade
que continua a matar-nos
de saudade
na eternidade da espera.


domingo, 19 de junho de 2016

Não há volta a dar



A verdade é esta
a ciência e a tecnologia substituem tudo
com muita velocidade
mas nenhuma ciência restitui a minha vontade
cura a minha melancolia
a minha saudade
nenhuma ciência ou filosofia
me devolve aquele mundo
a minha verdade
de ser feliz
o indescritível prazer
de estar na eternidade
como num quadro emoldurado
de tudo o que é preciso
para que a mudança só acontecesse
a meu gosto
e eu de todos e tudo
dispensasse um juízo
nenhuma ciência filosofia arte
ou religião
nenhum conhecimento ou ação
me devolve a paixão
do que era preciso
para ser feliz
nada agora
olhando com todos os olhos
construídos
de esforços para o merecer
é o que eu queria
tudo me foi sendo negado
em nome de algo
que eu devia
fui sendo educado
e sofria
na promessa de que valia a pena
se valeu para os outros
não valeu para mim.


sábado, 11 de junho de 2016

Parar não é morrer


 Não tombem pássaros
em voo cansado
nem muito ao de leve 
toquem
das ondas frescura
da miragem breve
do velame assombrado
da nau amargura
até passar
o mar
a liberdade
arrebatará 
os mensageiros 
da tarde.


domingo, 5 de junho de 2016

Maldito dever


Acabei por ter de fazer
o que nunca quis
deixar a estrada
o caminho que fiz
a fantasia da natureza
amada
com seus relógios
de sol e de lua
e de água
seus ritmos de frio
calor e chuva
e trovoada
seus perigos selvagens
encantos e miragens
em troca de nada
deixei tudo
que me fazia feliz
porque tinha de ser.
Maldito dever.


domingo, 29 de maio de 2016

Já há muito que não escrevo



Há muito que não escrevo
a folgar do longo tempo
em que escrevia 
para me inventar
na indomável imensidão
das palavras
iluminar a vista
com a visão
que argamassa 
átomos
em sóis sobre as muralhas
de cada dia.


sábado, 23 de abril de 2016

segunda-feira, 18 de abril de 2016

Vício de errar


Errar quem quer
se todos buscam acerto?
quem quer seguir caminho contrário
para longe
se o que procura
é perto?
quem se anima por ter-se perdido
se queria outro objetivo?
se a experiência ensina
que o erro é caminho
andado
para o acerto
quanto mais viciante é
ao buscar pedra
encontrar ouro
do que ao buscar ouro
encontrar pedra?
então por que o erro está
não em encontrar ouro
mas pedra?